Artur Correia 2

Sistema de Vigilância eficaz na detecção precoce dos casos de covid -19

O Director Nacional de Saúde garante que o Sistema de Vigilância Sanitária está a funcionar muito bem e está a ser eficaz na detecção precoce dos casos suspeitos de coronavirus em Cabo Verde. Artur Correia fez esta declaração na conferencia de imprensa proferida pelo ministro da Saúde hoje na cidade Praia, em que se confirmou o primeiro caso importado de covid-19 na capital. 

Correia sinalizou este caso em concreto para testar a eficácia do Sistema Nacional de Vigilância que “tem dado provas”. “Este caso que apareceu é importado. Mas é a primeira vez que temos um caso importado por um cabo-verdiano e o primeiro na cidade da Praia.  Foi detectado – estamos a falar de uma pessoa que estava em isolamento domiciliar e que chegou no país antes da medida do Governo de quarentena obrigatória -, medidas adoptadas e o resultados aos testes foram conhecidos no mesmo dia”, exemplificou. 

Este mesmo cuidado está a ser dispensado às 200 pessoas repatriadas do estrangeiro – EUA, Portugal e Brasil – e que chegaram ontem no país. De acordo com o DNS, estas pessoas estão colocadas em hotéis na cidade da Praia e na ilha do Sal e têm acompanhamento próximo, assim como foi feito ao cidadão, residente em São Filipe e que testou positivo para o covid. 

Paralelamente, foi reforçado a Linha Verde – 800 11 12 – com mais três profissionais de saúde que, segundo Correia, têm a responsabilidade de fazer a triagem dos casos que são repassados aos médicos na retaguarda. “A partir de amanhã pretendemos introduzir nesta linha de apoio com Psicólogos. Temos nesta linha, em primeiro lugar, os enfermeiros, que vão ser apoiados por Psicólogos da rede pública de todo o pais e que se prontificaram a dar o apoio necessários aos profissionais de saúde, mas também às pessoas que estão em seguimento e a população em geral”, assevera. 

Isso porque, no entender de Artur Correia, a situação resultante do coronavírus e a consequente mediatização a nível internacional causa ansiedade nas pessoas. A ideia é fazer com que as pessoas vivenciam este período conturbado com serenidade e acatem as medidas anunciadas pelo ministério da saúde e pelo Governo. 

Quanto aos óbitos por coronavirus, o DNS informa que as delegacias de saúde em todas as ilhas já têm na sua posse as as normas e procedimentos que devem ser seguidas. Estas indicam, por exemplo, que os funerais das vitimas do covid -19 devem ser assistidos por no máximo 20 pessoas.

 989 total views,  2 views today

Laginha

IMP interdita banhos e actividades nas praias a nível nacional por causa do Covid-19

O IMP decidiu interditar a frequência das praias balneares em todo Cabo Verde enquanto se mantiver a situação de contingência forçada pela pandemia do Covid-19. O Instituto informa que as praias de mar passaram a estar fechadas a actividades desportivas ou de lazer que impliquem a aglomeração de pessoas.

“Reforçamos o alerta para não ida a banhos e recomendamos a que as pessoas não se desloquem às praias”, diz o IMP em comunicado, aproveitando para aconselhar os pais a manterem os educandos em casa durante as férias escolares. As interdições, realça o Instituto, serão levantadas assim que estiverem reunidas as condições de segurança.

O IMP reforça ainda que os barcos e botes de pesca estão expressamente proibidos de transportar pessoas de uma ilha para outra.

 332 total views

“Tubarões azuis” implacáveis conquistam histórico 5° lugar no CAN

A Selecção Nacional de Andebol conquistou o 5° lugar no Campeonato Africano das Nações, que decorre na Tunísia. Depois de ontem ter-se classificado pela primeira vez para o Mundial de 2021 no Egito, hoje os “Tubarões Azuis galgaram mais uns degraus ao vencer o Marrocos por 37-28.

Foi a estreia de combinado crioulo no CAN, mas os jogadores se sentiram donos da casa e, como recompensam, trazem na bagagem um honroso 5° conquistado nesta prova, resultado da derrota imposta na tarde deste sábado ao Marrocos, com uma diferença de nove ponto.

Os pupilos de José Tomas estiveram sempre na frente do marcador e chegaram ao intervalo com um resultado confortável de 18-13. A segunda parte foi em sentido único e o resultado final ficou em 37-28.

O balanço final é um histórico 5° lugar e um inédito apuramento para o Mundial de 2021 que vai decorrer no Egipto.

A Federação Cabo-verdiana de Andebol reagiu na sua pagina com uma frase simples, mas forte. “Consagração!!! 5° lugar garantido com uma goleada das antigas contra uma das melhores Seleções de África. Obrigado à todos os Caboverdianos pelo suporte e pelo carinho.”

 32 total views

Aliança Unitel-IZERTIS: Protocolo para oferta de serviços tecnológicos no sector do turismo em Cabo Verde e São Tomé

A Unitel T+ e a Unitel SPT formalizaram ontem um acordo com a empresa espanhola IZERTIS que vai catapultar a oferta de serviços das duas operadoras de telecomunicações tanto em Cabo Verde como em São Tomé e Príncipe. O protocolo visa desenvolver uma proposta conjunta dessas três companhias virada para o sector do turismo nos dois países africanos. Em paralelo, essa parceria tem o objectivo de tornar a Unitel T+ e a Unitel STP operadoras globais e a IZERTIS como integradora de referência no sector hoteleiro dos mercados cabo-verdiano e são-tomense. Deste modo, essa aliança abrange o fornecimento, operação e manutenção de tecnologias de informação e comunicação nas áreas do turismo, da banca e do comércio.

A iniciativa visa envolver o próprio Governo e o NOSI. O foco é projectar e implementar soluções tecnológicas e serviços de consultoria no campo da transformação e inovação digital. Esse modelo de colaboração permitirá à Unitel T+ e Unitel STP comercializar todo o portfolio de produtos e serviços da IZERTIS e ainda criar uma plataforma digital que promova e dinamize o comércio.

“Enquanto Unitel estamos satisfeiros. A empresa tem como ambição fazer uma transição para operadora mais global. Tendo este objectivo em mente, tivemos de procurar parceiros-referências. Neste sentido, a IZERTIS destaca-se como uma grande parceira porque tem uma capacidade integradora de serviços muito alargada”, frisou o Director-Geral e Administrador da Unitel. Conforme Inoweze Dias Ferreira, a Unitel tem uma experiência no continente africano, a IZERTIS tem dado provas na América Latina, e o mais interessante é que esta companhia espanhola decidiu entrar em África usando as portas de Cabo Verde e São Tomé. Esta estratégia, referiu Dias Ferreira, é uma honra para a Unitel, enquanto operadora que pretende transformar a sociedade cabo-verdiana, ajudando o mercado a ter uma economia mais digital.

Para Pablo Martín Rodriguez, esse acordo constitui um enorme orgulho. Como realçou o representante da IZERTIS, a empresa pretende com esse acto desenvolver o mercado da África Ocidental, utilizando Cabo Verde como base, país onde a companhia espanhola tem vindo a trabalhar há alguns anos. “Decidimos dar mais um passo no sentido de uma implantação maior no país, com a intenção de estabelecer novos serviços tecnológicos”, referiu o gestor espanhol, realçando que a IZERTIS tem presença física em sete países e presta serviço a 40 no mundo inteiro. Este afirma que a experiência da companhia em África tem sido “muito positiva” e diz acreditar que as coisas vão melhorar com a parceria da Unitel.

 26 total views,  2 views today

“Amigos do Nani” empata com Mindelense em espectáculo de futebol no Adérito Sena

O Estádio Adérito Sena, no Mindelo, abriu-se para acolher o jogo solidário entre os Amigos do Nani e o campeão nacional de futebol, o Mindelense, que decorreu no final da tarde de ontem. Apesar de ser uma quinta feira,  ou seja a meio da semana, o público não quis perder este espetáculo futebol, sendo o primeiro jogo de Nani na terra dos seus pais.

E foi este luso-caboverdiano a inaugurar o marcador aos 25 minutos de jogo, com um “tiro certeiro”  de fora da área,  como já é da identidade do jogador. Mas não demorou muito para, ainda na primeira metade do jogo, o Mindelense empatar a partida.

Percebia-se nas bancadas e dentro do campo que  fair play estava presente, com os adeptos a aplaudirem de igual forma, maravilhados os dois golos.


Na segunda metade não se registou golos, mas ainda assim houve a oportunidade de ver Nani abandonar o seu número 17 de branco e jogar de vermelho, com a camisola número 100, a centenária do Mindelense.

Nani explicou que há anos que realiza este tipo de acção em Portugal e agora resolveu alargá-la para  Cabo Verde. A conexão que tem com o país,  acrescenta, é enorme, por causa dos pais e de outros familiares. Disse sentir-se  cabo-verdiano e que sempre que vem aqui é recebido calorosamente. Por isso resolveu apostar na área que domina, o desporto. “Sei que o desporto aqui precisa de evoluir, precisa de desenvolver porque há muito talento.  Este é um início comprometedor, uma iniciativa que irá trazer muitas coisas boas”, frisou, sem entrar em detalhes acerca das ações a níveis do desporto que pretende executar no país.

Segundo Nani, a sua acção em Cabo Verde que tinha que começar por algum lado. ” É um início, pois a ideia é tentar criar e dar oportunidades no futebol aos mais jovens e a vinda aqui com os jogos solidários irá proporcionar isso para o futuro. Passo a passo para construir as coisas”.

Retrata como emocionante e caloroso a essa sua passagem pela ilha, sendo a primeira vez que faz um jogo desta magnitude em São Vicente. “Já tinha estado aqui, tinha jogado com alguns amigos, mas com um público e num estádio é a primeira vez”, pontua, assegurando que quis retribuir o público com um espetáculo de futebol, sua especialidade.

Os “Amigos” foram escolhidos pela Associação de Futebol, mas para Nani são jovens com qualidade e que querem ter uma oportunidade. Também para Rui Alberto Leite, técnico do Mindelense, este jogo é uma oportunidade “perfeita” para se ver um atleta da qualidade de Nani a jogar. Este mostrou-se, aliás, maravilhado em ver este jogador a vestir a camisola dos “Leões da Rua de Praia”, apesar de encarar a partida como uma brincadeira com um fim nobre. Por isso quis permitir que a sua equipa, que irá jogar já este sábado, ter o “prazer de desfrutar do jogo”.

Ao mesmo tempo, Rui Alberto admitiu ver com positivismo a aproximação de Nani a Cabo Verde, sobretudo porque chega com olhares para o futebol jovem. “É uma boa notícia porque somos um país pobre e temos que abrir as portas quando alguém quer ajudar a nossa juventude e os mais necessitados e é isso que queremos”, finaliza o treinador encarnado.

A receita da bilheteria do jogo, refira-se, irá reverter-se na totalidade para instituições de solidariedade.

Sidneia Newton (Estagiária)

 24 total views

Mayara, 16 anos, modelo internacional: “Nunca pensei que pudesse realizar meu sonho tão cedo”

Mayara Sousa é uma menina de 16 anos que está a ver a realidade ultrapassar a amplitude dos seus sonhos. Desde criança queria ser modelo, mas nunca pensou que a sua carreira iria descolar tão cedo e com tanto impacto. Tudo começou num desfile da Cabo Verde Fashion Week, no ano passado, na cidade do Mindelo. A jovem fez uma única passagem no último dia e cativou logo a atenção de uma agência de moda.

“Acho que foi sorte porque fiz a minha passagem na passarela no último dia e fui uma das escolhidas. O pessoal da agência Karater Agency chamou-me logo em Julho para participar em Portugal no Carácter Model Tour, que acontecia no mês de Agosto. Fui e tudo correu bem”, conta Mayara.

Satisfeita com a performance dessa jovem mindelense, a referida agência convidou-a a ficar mais tempo nas terras lusas e participar nos desfiles Moda Lisboa e Portugal Fashion. “Foi impossível desfilar na Moda Lisboa, mas tive a oportunidade de participar por duas vezes no Portugal Fashion em Outubro de 2018 e Março deste ano”, revela essa adolescente, que, entretanto, fez uma série sessões fotográficas para ilustrar editoriais de revistas online e um desfile para promover a marca Salsa.

“Sou sempre convidada para sessões fotográficas e sou muito bem tratada”, acrescenta a modelo, que está fascinada com a forma como está a iniciar a sua carreira. “Tem sido uma experiência incrível. As coisas estão a acontecer de forma tão rápida que às vezes fico a perguntar se isto é verdade”, confessa.

Foto: Facebook Mayara Sousa

Com 1,79 metros de altura, Mayara acha que a sua presença na passarela é que despertou o interesse da sua agência. “Dizem que tenho presença e desfilo com confiança e segurança”, conta essa jovem que tem sido convidada tanto para desfiles como para sessões fotográficas por causa do seu tamanho. Como diz, se fosse mais baixa, o mais certo é que só iria posar para fotos. “É caso para dizer, bendito o meu tamanho”, diz, a brincar.

Embora a sua carreira esteja agora a descolar, Mayara já tem planos mais ambiciosos. A sua intenção é saltar para as passarelas de Milão ou Nova Iorque. Neste momento tem acordo com a Karater Agency, o que lhe dá alguma segurança, mas quer agora tentar a sorte nos expoentes máximos da moda. “No ano passado uma agência de Milão mostrou interesse em mim, mas tinha 15 anos e não podiam aceitar. Agora tenho 16 anos e as coisas mudaram de figura”, diz essa ex-estudante do Liceu Ludjero Lima, que desfilou nalguns concursos feitos fora desse estabelecimento enquanto aluna da secundária. Para ela, essa experiência foi importante na sua vida. Por isso aconselha todos aqueles que almejam atingir o estrelado no mundo da moda para aproveitarem as oportunidades, mesmo que sejam as mais irrisórias. “Em primeiro lugar é sempre uma experiência que se adquire, além disso nunca se sabe quem pode estar a ver-nos. Basta um vídeo na internet para a nossa sorte mudar.”

Foto: Facebook Mayara Sousa

Mayara completou o 10° ano de escolaridade em Portugal. Conciliar o estudo e a moda tem sido complicado, mesmo assim conseguiu passar de ano. Devido aos compromissos com a agência faltou aulas e testes, mas que foram justificadas com a ajuda da empresa. A sua intenção é manter o foco na moda e na escola, até porque quer atingir um outro objectivo – fazer medicina.

Viver longe de Cabo Verde de um momento para outro, embora sempre acompanhada pela mãe e uma tia residente em Portugal, foi um choque na vida dessa jovem. Mesmo assim, essa situação ajudou-a a fortalecer a sua personalidade. “Hoje sou uma mulher mais responsável e madura. Passei a pensar e a decidir por mim, a assumir os meus compromissos com responsabilidade”, salienta a modelo, que gostaria de ver a sua história motivar outros jovens.

É natural no mundo da fama, os novatos terem os seus ídolos, normalmente modelos internacionais. No caso da Mayara, apesar de gostar das profissionais Marina Barbosa e Carla Pereira, revela que a sua principal inspiração foi a amiga e modelo fotográfico Saidy Monteiro.

Kim-Zé Brito

 42 total views

Trump sugere bombas nucleares para deter furacões

O Presidente dos EUA Donald Trump terá sugerido em várias ocasiões que as forças armadas norte-americanas bombardeassem furacões para os impedir de alcançarem o território dos EUA, escreve, nesta segunda-feira, o site norte-americano de notícias Axios. Fontes citadas pelo site afirmam ter ouvido o Presidente a referir a ideia ou ter tido acesso a um memorando do Conselho de Segurança em que essa sugestão ficou registada.

Segundo uma das fontes, o Presidente dos Estados Unidos terá mencionado a possibilidade num briefing sobre um furacão que se aproximava dos EUA, na Casa Branca, com vários responsáveis pela segurança interna nacional: “Percebi, percebi. Por que não lançamos uma bomba nuclear sobre eles? Eles começam a formar-se na costa de África e, enquanto se movem pelo Atlântico, lançamos uma bomba nuclear dentro do olho do furacão e isso irá desfazê-lo. Por que não fazemos isso?”, terá repetido Trump.

A fonte não identificada citada pelo Axios lembra que o responsável pelo briefing terá dito que “iria ver o que se podia fazer”. Trump terá respondido, reiterando a sua questão e deixando a sala “surpreendida”. “Quando a reunião acabou pensámos: ‘Mas que raio? O que fazemos com isto?’”, disse a fonte ouvida pelo site noticioso.

Não foi a primeira vez que o Presidente aflora esta questão: segundo um memorando de 2017 do Conselho de Segurança, Trump perguntou se não se devia bombardear os furacões para os impedir de atingir o país. De acordo com uma fonte, o Presidente terá falado em bombardear várias coisas e “não apenas furacões”. “O seu objectivo – evitar que um furacão catastrófico atinja o continente – não é mau. O seu objectivo não é mau”, disse um alto funcionário ouvido pelo Axios, saindo em defesa do Presidente. 

A Casa Branca não quis comentar sobre “as discussões privadas que o Presidente possa ou não ter tido com a sua equipa de segurança nacional”.

C/Público.pt

 34 total views

Os partidos políticos…

Por Nelson Faria

De maneira nenhuma, não compactuo com o não reconhecimento da importância dos partidos e o seu papel na democracia. Quem é democrata sabe que os partidos, enquanto organizações de cidadãos legalmente constituídas, são necessários para realização da democracia e da boa governança das sociedades, quando orientados para tal, exercendo o poder ou influenciando decisões do poder político. Aliás, não me custa reconhecer méritos e muita coisa bem-feita, assim com não me inibo e nem contenho a crítica quando acho necessária e oportuna. Simples opinião. Faço-o desde que sou cidadão com capacidade eleitoral, e já lá vão dezassete anos… E assim pretendo continuar.

 Não nos deve custar reconhecer que a realização do país Cabo Verde, com erros e acertos, deveu-se também aos partidos políticos. A meu ver, são tão importantes organizações da sociedade civil que de forma alguma devem ser desacreditadas ao ponto de pôr em causa a própria democracia. Porém, infelizmente, os tradicionais, sobretudo do arco do poder, para lá caminham, muito por culpa própria das corporações.

Não sou nem nunca fui militante ou dirigente de partidos políticos. Simplesmente porque não me revejo nos “ideais” que praticam e na forma de actuação… As referências e intenções até são boas, porém, a prática tem deixado a desejar. Com isto não quero dizer que sou contra esses partidos ou contra os cidadãos que neles militam, simpatizam ou dirigem. Já disse, aplaudo e crítico, enquanto cidadão eleitor, o bem e o mal que fazem. Quem é realmente democrata e defensor da liberdade sabe entender e respeitar as posições e escolhas legítimas, que qualquer cidadão, em livre consciência, opte seguir. Portanto, merecem o meu igual respeito as organizações partidárias e os seus seguidores, particularmente quem o faz por ideais, por convicções sérias e honestas sobre a possibilidade da organização contribuir para o bem de todos.

Creio que precisam de reverter o quadro de descrédito actual. Na minha leiga opinião, para isso basta que os partidos actuem de forma diferente para se credibilizarem perante a sociedade. Que sejam organizações dinâmicas o suficiente para se adaptarem à dinâmica social e nunca perpetuarem-se na altivez e arrogância retrógrada de donos da verdade. Que se orientem por políticas reais, exequíveis e realizáveis, que satisfaçam a colectividade, auscultando-a, em vez de objectivos corporativos, selectivos, ambições e ganâncias pessoais dos seus integrantes. Que se deixem de orientar por dogmas e demagogia barata que hoje convencem apenas os seus acólitos, fanáticos e cada vez mais radicais. Que saibam adaptar-se a uma realidade cada vez mais formada e informada. Mais capacitada e lucida sobre o que é deveras feito, por cada um e por todos. Que saibam adaptar-se e acolher a crítica como parte da melhoria que se quer para todos. Que saibam que hoje ninguém alinha em carneirinhas provas de fé ditadas em discursos demagógicos de “pseudo-deuses” . Que saibam que esta sociedade já não se rege meramente pelo carne ou peixe, pela situação ou oposição, por mim ou contra mim, sobretudo, em períodos eleitorais. Que há mais vida alem dos partidos e que não são o centro da vida e da política mas sim um canal para a vida social e realização de políticas colectivas. Que saibam interagir e respeitar a sociedade que regem e representam e possibilitar a sua participação directa nas decisões políticas. Falo sim, e porque não, da possibilidade de listas uninominais.

Como já disse, também não alinho com a postura fanática e radical de uns e outros partidários em que, basta a crítica não agradar, para ser conotado com oposição, do contra, ou outros nomes. Nem me refiro aos mascrinhas ou mascarados. Não alinho com a defesa “do clube partidário”, muito menos com a “partidarite aguda” que muitos sofrem e não lhes permite ver e posicionar sobre a realidade vivida, não a criada em discursos. Não alinho com a bondade circunstancial da oposição, porque convém, nem com a revelação da situação, que desdém… Vice-versa quando troca. Não alinho com o partidarismo clubista, fanático, interesseiro, corporativo e hipócrita. Isso não, isso nunca!

Acho que os partidos não estão esgotados caso adaptarem-se a nova realidade. Caso abram efectivamente para a sociedade civil, caso alinhem deveras em ideologia e políticas que sirvam a colectividade, combatendo os males que alimentaram ao longo do tempo nas suas fileiras. Igualmente importante é a necessidade de reconfigurarem-se por eméritos elementos, credíveis, capazes de capitalizarem a sua importância em vez dos conhecidos carreiristas com objectivos evidentes: status, interesses, ganância e poder pelo vício. Os partidos podem e devem ser capazes de reformularem-se para servir ideais políticos que beneficiem toda a sociedade e todos os cidadão deste país em igualdade de circunstâncias e oportunidades.

Contudo, por este andar, caso se mantiver o cenário actual, que é o mais provável, não me estranharia e seria natural, o surgimento de outros partidos, outras forças políticas, espero, com propósitos e modus operandi capazes de capitalizarem-se e capitalizarem a democracia. Sem partidos, mesmo que não se configurem da mesma forma que os tradicionais, não há democracia. Não iludamos. Desejamos sim, que sejam de facto organizações da sociedade civil que sirvam, em primeiro lugar, a sociedade civil e os interesses colectivos.Área de anexos

 36 total views

El Passo e Dayton recebem Trump com frieza

O Presidente dos EUA, Donald Trump visita esta quarta-feira as cidades de El Paso e Dayton, onde no fim-de-semana dois atiradores mataram 31 pessoas. Mas, ao contrário das recepções calorosas normalmente reservadas aos presidentes, Trump deverá ser recebido com frieza.

O presidente da câmara de El Paso, um republicano, fez questão de dizer que vai receber o Presidente dos EUA porque esse é o ser “dever formal”. Já a mayor de Dayton, uma democrata, foi mais longe e encorajou os habitantes a protestarem contra a visita. Em causa está a acusação de que as declarações do Presidente Donald Trump sobre imigração – durante a campanha eleitoral e desde que chegou à Casa Branca – têm alimentado um clima de racismo e encorajado os supremacistas brancos.

Em declarações aos jornalistas antes de seguir viagem para a primeira paragem do dia, em Dayton, Trump disse que, no seu entender, o seu discurso público “não tem impacto no país”. Quanto à pressão de sectores da sociedade para que as leis de acesso às armas sejam alteradas, admitiu apoiar iniciativas para reforçar o sistema de controlo prévio dos compradores, com objectivo de dificultar o acesso a “pessoas com perturbações mentais”.

Mas afastou a possibilidade de se proibir a venda ao grande público de espingardas semiautomáticas como as que costuma ser utilizadas em ataques como os do passado fim-de-semana. Segundo Trump, não existe no país “apetite político” para fazer essa alteração à lei – referindo-se ao desacordo de anos no Congresso entre Democratas e Republicanos.

O suspeito do ataque em El Passo, identificado como Patrick Wood Crusius, de 21 anos, publicou um manifesto anti-imigração no site8chan, onde fala numa “invasão hispânica” nos EUA – um termo usado várias vezes pelo Presidente Trump para se referir à chegada de imigrantes da América Central, em caravana, à fronteira dos EUA com o México.

C/Publico

 18 total views

Tira-teimas entre Atlético e Farense no Nacional de Andebol

Duas equipas de São Vicente, o Atlético do Mindelo e o SC Farense, disputam na noite desta segunda-feira, 29, a segunda meia-final do nacional sénior masculino de andebol, no Polidesportivo de Oeiras. Antes, no primeiro jogo, a Académica da Boa Vista defronta o Desportivo da Praia.

Este é um jogo de tira-teimas entre as duas equipas, que a 24 de Junho disputaram o título regional. Nesta altura, a vitória foi do Atlético, que se sagrou pentacampeão e confirmou a sua hegemonia no andebol masculino em São Vicente. Mas foi um uma disputa muito equilibrada, o que levou o treinador do ACM, Aquilino Fortes, a afirmar que o SC Farense foi “um digno vencido” e que chegou à final por mérito próprio.

O Atlético do Mindelo fez uma campanha vitoriosa nesta nacional de andebol e chegou as meias finais depois de duas vitórias bem conseguidas, sobre os Madrugadores de Santo Antão e o K. Kobra da ilha do Fogo. Este resultado garantiu a esta equipa a liderança do grupo A com seis pontos, seguido dos Madrugadores e K Kobra do Fogo.

Já o Farense, depois de iniciar a perder frente ao Desportivo da Praia por 20×25, venceu a equipa de João Baptista de São Nicolau por 53×25. Apurou-se para as meias-finais como o segundo melhor classificado do grupo B, tendo derrotado o Fidjus de Tabanka e Académica do Sal.

Na primeira meia-final, jogam-se o Académica da Boa Vista, que conseguiu o apuramento depois de um empate frente a equipa do Sal por 27×27, enquanto que o Desportivo da Praia derrotou o João Baptista por 40×15.

 20 total views