seguros

Indústria Seguradora desempenhará papel fundamental na retoma da economia pós-crise Covid-19

A indústria seguradora também sofre os efeitos adversos que começam a afligir a economia cabo-verdiana,  mas deverá desempenhar um papel fundamental na retoma da normalidade no período pós-crise Covid-19, conforme o presidente do Conselho de Administração da Impar Seguros, Luís Vasconcelos. Esta confiança é também partilhada pelo Director de Marketing da Garantia, Víctor Andrade, que admite a existência neste momento de alguma ansiedade e receio por parte dos clientes e colaboradores, até porque todos estão a aprender a lidar com esta situação. Este acredita, no entanto, na boa capacidade de resposta dos cabo-verdianos em relação a este momento especial.

O gestor Luís Vasconcelos enfatiza que esta esta é uma situação de excepção, talvez só comparável com as duas grandes guerras mundiais. Neste momento, diz, o foco passa primeiro por proteger as pessoas, os colaboradores, os clientes e restantes stakeholders. Isto porque, afirma, esta indústria está entre as actividades essenciais, que não podem parar, mesmo em Estado de Emergência. “Pode-se dizer que a indústria seguradora é um dos barómetros da Economia, sendo assim directamente afectada com os efeitos adversos que já estamos a sentir na economia cabo-verdiana.”

Segundo Vascincelos, o Covid-19 provocou uma travagem brusca na economia mundial e consequentemente na cabo-verdiana, a qual está ancorada no turismo. E a época de 2020 pode estar comprometida, pois, sendo a Europa a maior fonte de emissão de visitantes para o arquipélago, as previsões apontam para uma recessão com grande impacto na economia do país. “Embora seja difícil nesta fase dizer que o nosso PIB irá diminuir 5%, 10% ou mais, veja que o próprio Governo já fala de uma perda potencial de quase 18 milhões de contos em impostos devido ao bloqueio da economia resultante da pandemia da Covid-19. Com isso, pode-se inferir a ordem de grandeza do problema que todos nós iremos enfrentar, provavelmente o maior desafio das nossas vidas como há dias foi dito pelo nosso vice-Primeiro ministro.”

Menos rendimento, menor consumo

Perante esse cenário, o PCA do Grupo Impar lembra que “sofre a economia, também sofre a indústria seguradora” porque, com a diminuição do rendimento e do consumo, quer devido ao desemprego – que vai crescer -, quer por causa da redução temporária dos salários em consequências dos lay-offs em curso, vai abrandar a actividade económica. Logo, vai diminuir a matéria segurável e o volume de prémios das seguradoras.

Porém, apesar do previsível impacto, acredita que as empresas do ramo são dos sectores mais resilientes da economia mundial e desempenham um papel fundamental enquanto investidores de longo prazo, logo fundamentais para o suporte dos balanços de muitas indústrias mundiais. Têm assim um papel fundamental na retoma económica que irá ocorrer no pós-pandemia.  

Instado como exactamente o sector sentirá os efeitos do Covid-19, este não titubeou. “Desde logo, com a suspensão dos voos, diminui a carteira dos seguros de viagem e, com o encerramento temporário dos hotéis – com previsão mínima de quatro meses – e obrigatório de outras actividades económicas, que levarão à diminuição do Seguro Obrigatório de Acidentes de Trabalho”, afirma.

Luis Vasconcelos – Ímpar

A este quadro, Luís Vasconcelos junta a diminuição do consumo e o encerramento dos hotéis que, afirma, baixará as importações e levará à diminuição dos seguros de transporte de mercadorias e dos seguros de responsabilidade Civil, que têm os prémios associados à facturação das empresas. E, com a diminuição da facturação das empresas e dos hotéis, os prémios desses seguros também irão diminuir. “Muitos investimentos serão adiados, logo não haverão todos os seguros que esses investimentos iriam necessitar.”

Para minimizar estas perdas, o CEO do Grupo Ímpar garante que a primeira decisão que vem à cabeça de um gestor é a contenção dos custos e o requacionamento dos investimentos. E, na Indústria Seguradora, não é diferente. Os momentos de crises, refere, tornam os gestores “mais racionais” na sua actuação, eliminando o supérfluo e concentrando-se no essencial, não esquecendo o papel fundamental da responsabilidade social das empresas e o apoio ao sistema nacional de saúde que, a seu ver, é um desígnio nacional do qual não poderão estar ausentes.

Confrontado sobre possíveis estratégias para reerguer a economia no pós-crise, este gestor cita a decisão da Impar, enquanto acionista, de não distribuir dividendos no Banco Cabo-verdiano de Negócios este ano, reforçando assim a capacidade da instituição, a qual será fundamental durante nesta fase de mitigação dos efeitos e crucial no pós-pandemia. Isso não obstante admitir que as medidas anunciadas pelo Governo são de “grande coragem” e irão mitigar os efeitos do apagão momentâneo na economia.

Estas medidas não abarcam directamente a Indústria Seguradora, mas esta irá beneficiar dos resultados dessa mitigação, diz. Luis Vasconcelos faz questão de frisar que o ramo segurador cabo-verdiano não precisava de nenhuma medida específica e que está capacitado para desempenhar o seu papel de corpo protector da sociedade. O mais importante por agora, diz, é o comprometimento dos cabo-verdianos na prevenção e salvaguarda do bem mais precioso, a vida.

Ansiedade e receios

Já o director de marketing da Garantia Seguros defende que se sente, neste momento, alguma ansiedade e receio da parte dos clientes e colaboradores, até porque todos estão a aprender a lidar com esta situação de Estado de Emergência. Exactamente por isso, enquanto empresa que “lidera o mercado” – não só a nível dos negócios, mas também no desenvolvimento tecnológico e na inovação -, a seguradora acredita que pode dar uma boa resposta aos cabo-verdianos através dos seus canais digitais e complementares. Logo, o apelo é no sentido destes – clientes e colaboradores – utilizarem o My Garantia, o Garantia Mobile, o www.garantia.cv, o garantia@garantia.cv, o telefone, as redes sociais, cumprindo assim os desígnios  #JuntosNaPrevenção #NuFikaNaKasa.

Victor Andrade – Garantia

Confiante, Victor Andrade prefere não falar em impactos, para além da tendência que já se começa a registar de uma diminuição do movimento nas agências e do aumento da utilização dos canais digitais. “Com o eclodir da pandemia, a nossa principal e primeira preocupação foi no sentido de ativarmos o Plano de Contingência, colocando os nossos colaboradores em regime de teletrabalho e simultaneamente garantir a mesma qualidade de serviço, eficiência e eficácia. Temos conseguido isso sem sobressaltos graças a nossa forte vertente inovadora de base tecnológica.”

Este responsável de marketing não descarta possíveis prejuízos no sector dos seguros, lá mais para frente. No entanto, admite que a Garantia terá de reajustar alguns variáveis do ponto de vista do negócio, tendo em conta a conjuntura actual e o cenário de incerteza. Até lá, enquanto seguradora com a missão de garantir segurança e proteção, principalmente das pessoas, e com forte envolvimento com a comunidade, através da sua política de responsabilidade social, mostra-se disponível para apoiar o Governo naquilo que for possível para juntos lutarem esta guerra pela vida.

Por isso mesmo, a Garantia também não definiu nenhuma estratégia pós-crise. “Esta crise coloca-nos a todos perante uma grande incerteza, pela sua duração e pelos efeitos. Estamos a acompanhar a situação e a tomar as medidas que se impõem em cada momento, com um forte apoio do Grupo Fidelidade a que pertencemos e que tem operações em quatro continentes. Para já, a nossa preocupação está centrada nas pessoas e em garantir que continuamos a cumprir com o que os cabo-verdianos e o país esperam da sua seguradora de referência e líder”, reforça Víctor Andrade.

Em relação às medidas de incentivo divulgadas para o sector financeiro nacional, este realça que são direccionadas para a banca. Este admite, entretanto, que tem havido o diálogo necessário, quer com o Governo, quer com o Banco de Cabo Verde, enquanto regulador do sector segurador para se tomar as medidas necessárias ou possíveis face aos cenários que se perspetivarem. Um exemplo recente, diz, foi a sensibilização do BCV para que a Polícia Nacional não coloque entraves na aceitação dos comprovativos e recibos de pagamentos feitos nos canais digitais.

“Neste momento diria que, para evitar mal maiores, temos de estar seguros. Manter os seguros em dia  seja em que momento for é um principio básico de proteção e segurança social que evita males maiores”, assevera Andrade, que aproveita para dizer aos cabo-verdianos para não se precipitarem em socorrer-se de anulações de seguros, principalmente no ramo automóvel, por suas viaturas estarem paradas. Isto porque, para além de poderem precisar delas, o seguro pode evitar males maiores e a “Garantia está aqui para apoia-los e garantir que a vida não pare”.

Constânça de Pina

 612 total views,  4 views today

Combustiveis

Todos os combustíveis com descidas acentuadas: Gasolina baixa 22,9% e petróleo 23,6%

Todos os combustíveis sofreram baixas acentuadas desde as zero horas de hoje, com maior incidência para a gasolina e o petróleo cujos preços diminuíram 22,9 e 23,64%, respectivamente. Com esta redução, hoje a gasolina está a ser vendida por 93,30 escudos o litro. 

A nova tabela divulgada pela Agência Reguladora Multisectorial da Economia (ARME) revela que o gasóleo normal está a ser vendido por 77,70 escudos o litro (-17,69%), o gasóleo para electricidade 62,50 escudos o litro (-21,09%) e o gasóleo para marinha a 52,40 escudos o litro (-21,67%). O Fuel 380 custa 54,70 Esc/L e o 180 57,40 Esc/L.

O Gás butano está a ser comercializado a granel por 110,70 escudos o quilo. Com isso, neste momento os consumidores pagam 316 escudos por uma garrafa de 3Kg, 664 escudos por uma de 6 kg, 1.384 por uma de 12 kg e 6.091 por uma de 55 kg. Significa que, quem correu para armazenar garrafas de gás em casa agora deve estar a lamentar. 

Segundo a ARME, que cita os dados publicados no Platts European Marketscan e LPGasWire, os preços médios dos combustíveis nos mercados internacionais, cotados em USD/ton, para dizer que, durante o mês de março es apresentaram descidas significativas durante o mês de Março (de 7, 75%), relativamente ao mês de fevereiro.

A gasolina e o petróleo diminuíram 22, 96% e 23,64%, respectivamente. Os preços do Butano, de Fuel 180 e Fuel 380 diminuíram 19,96%, 11,63% e 13,29%, respectivamente, o que corresponde, a uma redução média dos preços dos combustíveis de 18,99%, refere a ARME.

Março de ficou ainda marcado por uma tendência de descida das cotações do petróleo, num mês em que os mercados internacionais continuaram a seguir com preocupação a evolução dos efeitos na economia da pandemia causada pelo surto de covid-19, com consequências para sectores como o turismo e o transporte aéreo, o que tem reflexo directo na procura de combustíveis, acrescenta. 

A agencia lembra ainda que, conforme a resolução de 27 de Fevereiro, o Governo suspende, temporariamente, a aplicação do mecanismo de fixação de preços dos combustíveis prevista no Decreto-lei nº 19/2009 de 22 de Junho, no que concerne à fixação dos preços do Fuel 380 e do Fuel 180 de 01 a 31 de Março de 2020.

Os novos valores dos combustíveis regulados passam a vigorar de 01 a 30 de abril.

 295 total views,  2 views today

Mindelo Av 5 Julho

Empresas e particulares podem beneficiar de moratória no pagamento de créditos bancários se provarem impacto negativo da pandemia

As empresas e pessoas singulares cujos rendimentos forem grandemente afectados por causa da pandemia poderão beneficiar de uma moratória dos bancos em relação ao pagamento dos créditos. A moratória, segundo o vice-Primeiro Ministro Olavo Correia, irá vigorar até 30 de Setembro deste ano, tendo por base um Decreto Lei a ser publicado após concentração entre o Governo e o Banco Central. No entanto, os potenciais beneficiários desta medida excepcional terão de fazer prova dos efeitos da pandemia nos seus rendimentos.

O Governo, em articulação com Banco Central, tendo em conta as medidas tomadas até agora em matéria de política monetária, e considerando as eventuais dificuldades no cumprimento normal das obrigações de pagamento de créditos por parte dos devedores do sistema bancário – sejam eles pessoas singulares ou colectivas, particulares ou empresas – quer conceder uma moratória até 30 de Setembro 2020, que prevê a proibição de revogação das linhas de crédito contratuais e a suspensão de créditos até o fim deste período”, afirmou Olavo Correia, em conferência de imprensa esta manhã.

Por outras palavras, salienta o responsável pela pasta das Finanças, quem for afectado pela pandemia – sejam as micro, pequenas, medias e grandes empresas e os particulares – e sentir dificuldades em honrar os créditos à habitação e aos demais empréstimos, será abrangido por essa moratória. Quanto às empresas e pessoas particulares que continuarem a receber as suas remunerações normalmente neste período de crise, Olavo Correia apela a que cumpram com as suas obrigações.

O ministro das Finanças revelou ainda que o BCV vai criar uma linha de financiamento para o sector bancário no valor de 45 milhões de contos. Deste modo, diz, os bancos podem ir buscar liquidez, a um preço inferior a 1 por cento, e repassa-la à economia. “Até agora, a Lei orgânica só permitia que o Banco Central concedesse empréstimo às instituições de crédito com prazo de até 1 ano. E um ano é muito curto face ao problema que estamos a viver hoje. Momentos excepcionais, medidas excepcionais, por isso será alargado o prazo de concessão de empréstimos às instituições de crédito até 5 anos para termos o tempo necessário para compormos o quadro financeiro pós-pandemia”, informa Olavo Correia, para quem esta é uma medida de grande alcance também por causa dos recursos financeiros disponibilizados e que rondam os 400 milhões de euros.

 786 total views

Telemoveis

Unitel T+ e CVMóvel disponibilizam dois mil megas e 15 mn grátis aos utentes

As operadoras de telecomunicações Unitel T+ e CV Móvel estão a lançar uma campanha denominada “Pack fica em casa” a partir de hoje, 29 de março, que consiste na oferta de dois mil megas e 15 minutos de chamadas para qualquer rede. A campanha é valida até 30 de abril.

O propósito desta campanha inédita em Cabo Verde é, segundo um comunicado conjunto destas duas empresas de telecomunicações, permitir que todos os cabo-verdianos possam estar conectados e contactar as pessoas, enquanto cumprem as orientações do Governo de ficar em casa. Mostra, igualmente, que a Nação está unida nesta luta. 

É assim que estas operadoras decidiram unir esforços e adoptar algumas medidas por forma a contribuir para o bom funcionamento dos seus serviços e reduzir os constrangimentos na vida das pessoas. Estas passam por trabalhar, segundo uma nota conjunta, na optimização, robustez e melhoria da rede para assegurar a continuidade dos serviços prestados.  Mas também por assegurar a capacidade de rede necessária para adequação do funcionamento do Estado, alertar para tentativas de fraude, promover a divulgação dos canais que visam sensibilizar a população para a adopção de boas praticas e prevenção para fazer face ao Covid-19. E ainda por colocar à disposição das pessoas ferramentas que permitem a todos estarem ligados e poderem acessar os seus serviços online. 

“Neste sentido, as duas operadoras nacionais lançam a campanha ‘Pack fica em casa’ este domingo, 29. Trata-se de uma oferta gratuita de dois mil megas e 15 minutos de chamadas para qualquer operadora nacional, com validade até 30 de abril”, lê-se na nota. Esta refere ainda que o “Pack fica em casa” é automática e destina-se a clientes no estado activo.

 4,218 total views,  4 views today

TAP

TAP prepara voo de repatriamento de portugueses da Praia

A Transportadora Aérea Portuguesa está a preparar um voo de repatriamento de portugueses para a cidade da Praia e um outro para Luanda, Angola. As operações estão previstas para esta sexta-feira, 27.

“A TAP, em estreita colaboração com o Ministério dos Negócios Estrangeiros, solicitou aos governos de Angola e de Cabo Verde autorização para realizar mais dois voos extra que têm como objetivo continuar a trazer de volta a casa e às suas famílias mais de 400 portugueses, bem como transportar carga médica e humanitária”, lê-se num comunicado divulgado pela empresa.

Este diz ainda que “os voos, de ida-e-volta para Praia, em Cabo Verde, e de Luanda, em Angola, para Lisboa, estão previstos para sexta-feira, dia 27 de março”, acrescentando que “os voos já foram colocados em sistema, sendo que as reservas poderão ser feitas no site www.flytap.com, ou nas agências de viagens”.

 360 total views

Fragata

Covid-19: Fragata reestrutura plataforma de vendas online para satisfazer pedidos da emigração

A Fragata adaptou a plataforma de vendas online lançada na terça-feira em S. Vicente para dar vazão ao crescente número de pedidos de compras enviado via email por emigrantes residentes fundamentalmente nos Estados Unidos da América, França e Luxemburgo, que querem ajudar os familiares em Cabo Verde.

Os mais de 300 pedidos registados pela Fragata no primeiro dia do lançamento da plataforma de venda virtual saturaram a capacidade logística instalada e obrigaram a empresa a envolver todas as suas lojas físicas na correia de distribuição dos produtos encomendados. Segundo Rafael Vasconcelos, o número do pessoal afectado nessa actividade saltou de cinco para 30 pessoas, o que, diz, dá uma ideia do impacto que a iniciativa está a ter.

A estimativa aponta para um aumento ainda maior de encomendas a partir de hoje. Isto porque a empresa de comercialização foi abordada por emigrantes residentes fundamentalmente nos Estados Unido, França e Luxemburgo que queriam fazer encomendas para ajudar os familiares residentes no país, em especial na ilha de S. Vicente. Esse fenómeno levou a empresa a adaptar a plataforma informática para poder dar vazão aos pedidos. E, segundo Rafael Vasconcelos, está na forja uma parceria que poderá levar a um incremento ainda mais significativo do serviço online.

“Estamos a cada momento mais cientes da pertinência deste serviço, que ajuda a manter as pessoas em casa neste período de quarentena e a diminuir o risco de contágio pelo coronavírus”, comenta o gestor, que tem estado a reestruturar a capacidade de resposta das lojas Fragata, que agora passaram a fazer atendimento directo ao público – com as medidas de segurança impostas pelo plano de contingência – e a fazer entregas a domicílio. Para ultrapassar as dificuldades de identificação das residências, os estafetas recorrem a contactos telefónicos permanentes com os clientes, que vão dando indicação do local onde moram.

 7,410 total views,  4 views today

Alcool Gel

Inpharma está a produzir álcool gel para abastecer o mercado nacional

Os laboratórios da Inpharma Cabo Verde estão a produzir álcool gel para abastecer o mercado nacional. É que este produto, considerado fundamental na prevenção à propagação do novo coronavírus (covid-19), está em falta há vários dias. 

A informação foi avançada esta manhã pelo Presidente do conselho de Administração da Emprofac, Gil Évora, em entrevista a Rádio Nacional. Segundo este gestor, o produto da Inpharma estará disponível para abastecer as farmácias amanhã, terça-feira, 24.

Gil Évora garantiu ainda que a Emprofac acaba de receber um lote de 300 mil máscaras que devem ser distribuídas pelas farmácias ainda hoje e que, na próxima semana, deverá receber mais 200 mil mascaras, importadas da China. 

A venda dos produtos para a prevenção do Covid-19, nomeadamente máscaras, luvas, álcool e álcool gel, entretanto, vai continuar a  ser racionalizada para evitar o açambarcamento.

 963 total views,  2 views today

Importação

Preços dos produtos importados baixaram 0,5%

Os preços dos produtos importadores diminuíram 0,5% em fevereiro, valor inferior a 1,9 pontos percentuais (p.p) face ao do mês anterior. A taxa de variação mensal dos preços dos produtos exportados fixou-se em 1,2%, enquanto a taxa de variação mensal registada pelo Índice de Termos de Troca foi de 1,7%.

O índice de preços da importação situou-se em 105,1, tendo conhecido um decréscimo de 0,5%, relativamente ao mês anterior.  Os índices subjacente e volátil baixaram 0,6% e 0,4%, respetivamente, face ao mês anterior. 

As baixas mais expressivas ocorreram nos “Bens de Consumo” (-1,1%), que se justifica com a descida de “produtos alimentares transformados” (-2,7%), e “Bens Intermédios” (-2,0%). Esta diminuição, diz, resulta da descida dos preços de “produtos transformados para construção” (-1,3%) e “Bens de capital” (1,9%), justificada pela descida de preços de “maquinas ” (-2,6%). 

Já o aumento de preço na categoria “Combustíveis” (0,8%), justifica-se com a subida da única subcategoria denominada “Combustíveis” (0,8%). 

Em termos homólogos, o índice de preço da importação aumentou 0,1%, em relação à fevereiro de 2019, sendo que, comparativamente a este mês, o índice subjacente registou acréscimo de 0,2% e o volátil manteve-se. 

Quanto ao índice de preço nas exportações situou-se em 102,1 correspondendo a um acréscimo de 1,2%, face ao mês anterior. Aqui, os índices subjacente e volátil registaram acréscimos de 1,4% e 0,7% em fevereiro de 2020, face ao mês anterior.

Em Termos homólogos, a taxa de variação homóloga do índice de preço das exportações situou-se em -1,5%. Relativamente à fevereiro de 2019,  os índices subjacente e volátil verificaram decréscimos de 1,5% e 1,7%. Já o índice de Termos de Troca registou, no mês em analise um aumento de 1,7% nos índices de termos de troca, comparativamente ao mês anterior.

Em termos homólogos, o Índice de Termos de Troca (ITT) situou-se em 97,1 com uma taxa de variação homóloga negativa de 1,7%. 

 443 total views,  2 views today

Garrafas Gas

Corrida às garrafas de gás: Petrolíferas Enacol e Vivo Energy acalmam os ânimos

A corrida às garrafas de gás devido as medidas de contingência relativas à pandemia do Covid-19 levou a Enacol a emitir um comunicado para acalmar os ânimos. Apesar da apreensão colectiva, a petrolífera assegura ter estoque suficiente para abastecer o mercado nacional e apela às pessoas para comprarem apenas a quantidade necessária de modo a evitarem o açambarcamento do produto. “Neste contexto, tem-se verificado nos últimos dias uma grande afluência por parte dos nossos clientes aos Postos de Venda para compra e contratos de garrafas de gás. Assim, é com elevado sentido de responsabilidade social que a Enacol vem a público informar e esclarecer que, em termos de abastecimento de Gás Butano possui em todas as ilhas uma rede de revendedores desse produto, para além de o ter à venda nos seus postos de venda, dispondo em quantidade suficiente para continuar a garantir o fluxo de fornecimento ao país”, afirma a empresa acentuando que essa demanda excepcional tem gerado desordem nos locais de venda com aglomeração de pessoas, algo desaconselhável nesta conjuntura.

Além disso, a petrolífera relembra que o armazenamento de várias botijas em casa pode comprometer a segurança das famílias. Conforme o comunicado, a prioridade da empresa é garantir a segurança dos clientes e da comunidade, pelo que recomenda o cumprimento das recomendações na luta contra a propagação do vírus. A empresa termina a sua comunicação assegurando que estará sempre a repor o stock de gás butano e a garantir as necessidades de todos.

A Vivo Energy também constatou um aumento da procura de garrafas de gás butano nos seus postos de venda em todo o país e, segundo o Expressodasilhas, garantiu que o stock neste momento é suficiente para assegurar o normal fornecimento à população. A petrolífera assegura que não há neste momento quaisquer constrangimentos ou restrições na importação do produto pelo que não antevê escassez ou rotura em Cabo Verde de gás. A empresa, conforme esse jornal, aproveita para pedir aos consumidores para entregarem as garrafas vazias sem utilização por forma a poder aumentar a oferta.

KzB

 833 total views

Fragata Rua Praia

Fragata lança vendas online para auxiliar famílias e ajudar a combater propagação do Covid-19

A Fragata pretende inaugurar nesta semana a venda online de produtos aos seus clientes em S. Vicente, serviço que irá complementar a compra directa nas suas lojas. Esta é uma das saídas encontradas pela empresa para facilitar a vida às pessoas retidas em casa por recomendação das autoridades sanitárias para impedir a propagação em massa do coronavírus Covid-19, que já provocou três contágios em Cabo Verde. 

Segundo o gestor Rafael Vasconcelos foi criada uma equipa de emergencia para dar vazão aos pedidos dos clientes. Esta irá dispor de uma linha telefónica dedicada, assim como viaturas próprias e estafetas para distribuição das encomendas. Para quem que não tenha acesso à internet ou sinta dificuldades em preencher os campos de compra online estará disponível o apoio de uma telefonista.

“Queremos frisar que as nossas lojas físicas continuarão abertas, embora com medidas de segurança aconselháveis neste período particular. Este será apenas um serviço adicional, que visa facilitar a vida às famílias, ajudando, ao mesmo tempo, no combate ao coronavírus. Os preços dos produtos serão os mesmos, mas o cliente irá pagar uma taxa de transporte”, faz questão de frisar C.E.O. da Vasconcelos Lopes, Lda.

Rafael Vasconcelos

Este garante que a empresa tem estado a respeitar as regras de controlo, tendo já implementado medidas de segurança nos estabelecimentos comerciais, como, por exemplo, indicadores de distância entre as pessoas. Isto porque, prossegue, tem aumentado o fluxo de clientes e neste momento uma das grandes prioridades da empresa de comercialização é combater o açambarcamento. A empresa está por isso atenta à quantidade de bens adquiridos pelos clientes por esta altura.

“Somos uma das três principais abastecedoras de produtos no país e posso garantir que não há risco de escassez de mercadorias de primeira necessidade no mercado. Queremos tranquilizar as pessoas em relação a este aspecto”, sublinha o gestor.

Segundo Rafael Vasconcelos, houve um reforço de encomendas que permitiram a empresa passar de uma reserva normal de um a dois meses de produtos para quatro-cinco meses. Neste momento, salienta esse também P.C.A. da CV Capital, têm três prioridades enumeradas, que são ajudar a impedir o alastramento do vírus, assegurar o fornecimento de bens de primeira necessidade e combater o açambarcamento de produtos. Este garante que esta à caminho um carregamento de contentores que vai reforçar a capacidade de abastecimento do mercado mindelense. 

 4,876 total views,  6 views today